Projeto da Cohab vai oferecer 14 mil imóveis em Campinas

Empresa tenta parceria para reduzir fila da Habitação, que soma 36 mil pessoas   A Cohab-Campinas busca parcerias com investidores e construtoras para viabilizar a implantação de 14 mil unidades habitacionais nos próximos anos. Os projetos preveem a instalação de empreendimentos no Jardim Míriam e região do Campo Grande. Há ainda outro plano, de 5 mil casas, para o DIC V. Hoje, a fila da moradia popular na cidade tem 36 mil pessoas. A quantidade subiu 20% em relação a setembro de 2015, quando eram 30 mil os inscritos no órgão. As novas habitações vão atender as faixas 1, 2 e 3 do Minha Casa Minha Vida. A Companhia de Habitação Popular de Campinas (Cohab) tem uma fila hoje de 36 mil pessoas em busca de moradia popular. A quantidade subiu 20% em relação a setembro de 2015, quando eram 30 mil pessoas inscritas no cadastro do órgão. Para minimizar a situação, a Cohab tem planos para a implantação de dois conjuntos habitacionais que, juntos, vão ofertar 14.080 unidades nos próximos anos. Os empreendimentos serão instalados no Jardim Míriam e na região do Campo Grande. Há ainda um outro empreendimento com mil unidades no DIC V. A Cohab também pleiteou no Ministério das Cidades, no início deste ano, outras 4 mil unidades. As habitações vão atender desde a faixa 1 até a 3 do programa federal Minha Casa Minha Vida. Para tirar os projetos do papel, o órgão busca por parcerias com investidores e construtoras que tenham interesse em atuar na área de moradia em Campinas. O diretor Comercial, Administrativo e Financeiro da Cohab, Valter Greve, afirma que os empreendimentos estão em fase de projeto. “No início deste ano, foi anunciado o projeto para a construção de mil unidades no DIC V. Na mesma época, o presidente da Cohab, Samuel Rossilho, se reuniu com autoridades do Ministério das Cidades e a cidade pleiteou a contratação de mais 4 mil unidades habitacionais”, diz. Ele comenta que, além do projeto do DIC V, há dois outros grandes empreendimentos cujos “master plan” estão sendo elaborados pela Cohab. “Temos um projeto na região do Jardim Míriam que será executado em terreno próprio da Cohab. O empreendimento terá mais de 4 mil unidades e estará dentro do programa Minha Casa Minha Vida. Serão ofertadas unidades desde a faixa 1,5 até a 3. Além das moradias, o complexo terá espaços comerciais e equipamentos públicos como postos de saúde. Na região do Campo Grande, haverá mais um empreendimento que vai ofertar 10.080 habitações. Também terão unidades para desde as faixas 1 até 3 do Minha Casa Minha Vida”, comenta. Ele ressalta que nos dois projetos a Cohab, busca por parceiros para a execução dos planos. “No caso do projeto do Campo Grande, já tem 50% do acordo fechado. A parceria será com um banco e uma construtora. Estamos buscando fechar logo as parcerias para oferecer as moradias para a população. Temos hoje um total 36 mil pessoas inscritas no cadastro da Cohab”, aponta. Ele lembra que o cadastro tem validade por dois anos. O diretor salienta que o projeto do Campo Grande vai gerar mais de 6 mil empregos diretos durante a obra e outro 3 mil depois com as atividades do complexo de conjuntos habitacionais. O órgão informa que as áreas técnicas estão fazendo os planos dos empreendimentos e não foi fechada a estimativa de recursos que serão aplicados. Regularização Greve afirma que uma outra frente que a Cohab está empenhada é na regularização fundiária. De acordo com o diretor, há 250 núcleos mapeados pela companhia e há trabalhos para garantir a titularidade dos moradores. Mas ele diz que em algumas áreas será necessário a remoção de famílias, principalmente construções em áreas verdes. “A remoção será mínima, mas terá que ser feita”, adianta. Ele diz que a regularização permite que as famílias possam investir nas moradias ou vendê-las. Greve participou na última sexta-feira da cerimônia de abertura do Feirão da Caixa da Casa Pró- pria. Durante o evento, ele destacou que foram entregues 3.919 títulos de posse na gestão do prefeito Jonas Donizette (PSB). No total, foram regularizados 1,2 milhão de metros quadrados. Ele apontou ainda que foram entregues 6 mil moradias populares em Campinas. (Colaborou Alenita Ramirez/AAN) Fonte: Correio Popular / Adriana Leite DA AGÊNCIA ANHANGUERA  / aleite@rac.com.br

Raphael

Website:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *